A Ignorância É Uma Benção

Ignorância é uma benção!

Você já deve ter escutado este "ditado popular", certo? A ignorância é uma benção!

E deve imaginar que, pra uma frase transformar-se num ditado popular, ela precisa ser repetida inúmeras vezes, até ser passada de geração em geração.

Pra ter esta força toda, deve ser verdade, não acha?

Vamos tentar entender melhor o que ela pode nos dizer.

Um primeiro entendimento vem a partir da origem da palavra ignorância, o verbo ignorar. Ignorância seria, então, a capacidade ou do ato de ignorar. E isso é bastante útil pra nós, apesar de soar um pouco estranho. É porque você consegue ignorar outras coisas e estímulos que está aqui, atento a este texto.

Tenho certeza que existem muitas coisas acontecendo ao seu redor e que poderiam roubar sua atenção, caso você não conseguisse ignorá-las. O ruído da rua, a conversa de alguém por perto e até um celular tocando.

Por este ângulo, a ignorância pode ser abençoada, sim, permitindo-nos ter foco naquilo que desejamos. Mas pode ser também um mau, fazendo-nos esconder custosamente coisas que não deveríamos.

Uma segunda interpretação deste ditado seria que, muitas vezes, é melhor não saber alguma coisa, ao invés de encará-la de frente.

No contexto terapêutico isso é muito comum e um momento chave do processo analítico: na busca pelas causas de seu sofrimento, o sujeito se dá conta de recordações dolorosas, ou implicações que parecem entalar na garganta.

Por vezes brinco que é como sair do Matrix – e se você não assistiu a este filme, não sabe o que está perdendo! –, é um despertar de um sonho que parecia lindo, coeso, funcional, mas criado para esconder uma realidade.

Nesta hora, alguns pacientes costumam dizer "ah, a ignorância é uma benção!". Dependendo do que vem à tona, podem até desejar voltar no tempo para esquecer tudo aquilo novamente, mas depois compreendem: é por esta via que se pode curar.

Se existem tantas pessoas destilando ódio, como vemos todos os dias nos noticiários, se tem tanta gente sofrendo e fazendo sofrer, saiba uma coisa: há algo desta raiva desta e desta tristeza que precisa ser dito e ouvido.

Com exceção daquela ignorância que nos permite focar naquilo que desejamos, não sejamos ignorantes. Se há qualquer possibilidade de uma vida melhor para si e para os outros, ela só será minimamente alcançável se deixarmos de ignorar as causas daquilo que somos e fazemos.